Arquivo da categoria: Carreira

Dicas – Free Lancers, Excel, VBA e outras oportunidades

Freelancer

Já tem algum tempo que falei sobre isso, não exatamente aqui, comumente “grito” nas redes sociais a respeito, seja no Twitter, Facebook e outras menos ou mais expressivas (já estou zanzando pelo Google+).

Como o blog tem ido bem, graças a você querido leitor, são constantes os pedidos de serviço que me chegam na caixa de email. Isso é bom e agradeço a todos pela confiança. Mas, a vida é injusta e sou apenas um.

😉

Enfim, como ser humano limitado que sou e incapaz de atender a todos os pedidos de serviço, criei no nosso fórum um subfórum dedicado a facilitar o contato entre aqueles que solicitam serviços de consultoria ou criação de aplicativos em Excel e VBA e claro, aqueles que fornecem! O endereço do fórum é:

Fórum de Freelancers e Serviços

http://www.tomasvasquez.com.br/forum/viewforum.php?f=21

Para quem quiser seguir o fórum por RSS, basta usar a URL abaixo:

http://www.tomasvasquez.com.br/forum/feed.php?f=21

A intenção é ser um ponto de encontro entre os profissionais da área. Até hoje não vi nada que conecta-se tais profissionais. É um começo. Profissionais de Excel, VBA e outras tantas aplicações do Microsoft Office, e também que precisa deles, sejam bem vindos!

Forte abraço e sucesso a todos!

Carreira – Divulgue suas vagas com sinceridade. Você só tem a ganhar

Resolvi criar o post para compartilhar a experiência que tivemos na empresa.

Recentemente precisamos aumentar a equipe. A contratação era para um Programador .NET Pleno. Daí já podemos concluir alguns filtros. De qualquer forma, não estava disposto a divulgar mais uma vaga com os dizeres:

A ….., empresa que atua com desenvolvimento de software e alocação, seleciona profissional no perfil abaixo para atuação em empresa de …. localizada na região de ….:

Analista Programador. NET

  • Com experiência em:
  • C#, Asp.Net e Banco de Dados SQL Server.
  • Contratação PJ – R$ ….. + bla + bla + bla.
  • Local de Trabalho: Algum lugar no Brasil
  • Interessados e dentro do perfil, favor encaminhar currículo com pretensão salarial.

 

Convenhamos, os descritivo acima diz o que? Em minha opinião, nada. É o tipo de vaga que quer dizer: “seja o que Deus quiser!”.

Tentando seguir o exemplo de algumas empresas mais, digamos, “cabeça aberta”, resolvi ser sincero ao extremo ao descrever a vaga. No fim, deu um pouco de trabalho, mas saiu algo assim:

Programador .NET Pleno

Estamos contratando um programador para trabalhar em um grande projeto de desenvolvimento e integração de portais. Haverão várias tecnologias envolvidas, inclusive o uso de frameworks conhecidos no mercado, mas a grande parte do desenvolvimento será em ASP.NET e C#.

É um desafio muito bacana. A empresa possui vários outros projetos em andamento constante e se o profissional tiver o perfil da equipe, continuará fazendo parte dela. Abaixo segue o perfil do profissional que esperamos desejamos:

Conhecimentos e Habilidades

Pelo menos 3 anos de experiência em programação de sistemas para a web principalmente em ASP.NET. Dominar a linguagem C# e ser um ótimo conhecedor de XHTML e Javascript. Conhecer bibliotecas como jQuery e outras será um diferencial.

Deve ser capaz de conceber, criar, analisar, depurar, testar e debulhar soluções em .NET e dominar o Visual Studio .NET (2005 a 2010). É imprescindível conhecer bem a produção e acesso a Web Services.

  • Conhecer T-SQL para manutenção do banco de dados. Dominar programação SQL será um diferencial.
  • Conhecer outras linguagens como forma de agregar conhecimento.
  • Ter vivência e gostar da cultura de testes.
  • Ter vivência e cultura de trabalho com Controladores de Versão de código (CVS, SVN)
  • Ter projetos publicados ou fazer parte de comunidades será um diferencial.

Atitudes

  • Tem que saber e gostar de trabalhar em equipe.
  • Ser apaixonado por tecnologia e programar por vocação.
  • Ter garra e vontade de resolver problemas.
  • Não ter medo de código mal feito e quando vir um, partir para cima dele, seja para corrigi-lo, ou para destruí-lo!
  • Saber extrair conhecimento da comunidade, bem como colaborar com ela.

Ambiente e Equipe

  • É descontraído, mas sem perder a seriedade e o foco.
  • Idéias e tecnologias novas são muito bem vindas, mas como tudo, você vai ter que provar que elas funcionam e que valem a pena.
  • O pessoal aqui entende do que faz. Discussões e debates sobre tecnologias são constantes e produtivos.
  • Não há grandes restrições quanto ao uso de ferramentas. Você pode usar seu toolkit se preferir, e vamos adotá-lo se for bom.
  • O horário de trabalho é flexível, mas a rotina é das ….

Imediações

Estamos na região da …., ao lado do …. e do …., a 10 minutos da estação …. Acesso por transporte público não é problema. As opções de restaurante também são muito boas.

Foi algo desse tipo. Confesso que não é a melhor descrição do mundo, mas, o que conseguimos com isso? Candidato com o perfil muito próximo do que queríamos.  Foi um acerto e tanto!

O que tirar dessa lição? Só uma coisa. Sinceridade. Não enrole para tentar convencer o profissional a participar do processo para fazer perder seu tempo e o dele. Vá direto ao assunto. Não sou especialista no assunto, mas só posso relatar que a experiência e o resultado foram muito bons!

Boa sorte!

Artigo – Educação à Distância e seus impactos na formação dos profissionais


O texto abaixo faz parte da Introdução ao Trabalho de Conclusão de Curso que estou construindo atualmente para finalizar a pós graduação.  É uma honra poder compartilhar tal conteúdo, até porque boa parte dele já pode ser encontrada em trabalhos acadêmicos do ramo. Na esperança de poder colaborar com os interessados no assunto, publico-o para apreciação.

Tomás

Apesar do conceito do EaD ir  além do uso de sistemas computacionais, este texto se atém somente aos que o utilizam, que compõem a  parcela significante nos dias atuais.

O uso do Ensino à Distância (EaD) tem crescido de forma considerável no cenário mercadológico nos últimos anos. Em alguns meios, tê-lo como opção é quase uma prática natural, como em cursos de especialização, onde parte deste ou até mesmo sua totalidade já é feita utilizando o modelo o EaD.

Isso evidencia a aceitação destes setores do mercado do modelo de ensino e também o amadurecimento dos sistemas de apoio (ferramentas LMS – Learning Management System), componente importante para a expansão deste modelo no mercado. As vantagens do EaD sobre o modelo tradicional já é um assuntos muito discorrido, conforme destaca NORONHA (2007):

A principal vantagem de um EaD sobre o Presencial está relacionada com a forma de o curso ser ministrado. Em um curso a distância, as regras não são tão rígidas, e o método de ensino não é tão sistemático, existindo uma maior flexibilidade no conteúdo a ser abordado. Em alguns momentos, pode-se parar o tema principal que está sendo abordado e voltar ao tema da aula anterior para fazer um esclarecimento mais detalhado; em uma sala de aula convencional, sendo conduzida pelo professor, talvez isso não aconteça. (NORONHA, 2007, p.14)

O fato é que mesmo com todo este crescimento e penetração, ainda há resistência por parte dos contratantes em aceitar profissionais formados no modelo à distância da mesma forma como é feita com modelo tradicional. Parte da culpa ainda pode ser compartilhada com próprios profissionais, uma vez que estes ainda preferem o ensino presencial.

Porém, conforme estudos realizados em universidades que experimentaram a implantação e testaram sua aceitação, mostram vantagens na formação baseado no ensino a distância. As vantagens, no entanto são significativas e até mesmo determinantes no momento da avaliação de um profissional.

Por exemplo, alguns aspectos que são identificados em profissionais formados em cursos baseados em EaD são que estes demonstraram um padrão de comportamento que o destacam dos que utilizam o ensino presencial, principalmente a autonomia e iniciativa. Entre outros, são o comprometimento com o estudo, uma vez que comprovadamente o professor não é o único responsável pelo seqüenciamento do estudo, tornando-o o discente mais responsável pela sua evolução no curso. O discente se torna mais independente, uma vez que materiais complementares tornam-se parte integrante e indispensável do modelo EaD, fazendo com que o professor não seja o único detentor do conhecimento. Ele passa a ter obrigatoriamente contato com diversos pontos de vista vindo destes materiais e também do apoio de tutores, comumente presentes nos cursos de EaD. Fica evidente que o aluno se torna explicitamente o maior responsável pelo seu sucesso no curso, pois este conta mais o seu esforço e não mais sua presença.

O fato é comprovado já que a sala de aula está disponível o tempo todo, e não somente durante o horário da aula. Sob este cenário, o professor torna-se praticamente um orientador ou motivador dos estudos.

É evidente que para acompanhar um curso neste modelo, é preciso um nível de dedicação superior ao que se investe para o sucesso em um curso presencial, conforme destaca OLIVEIRA (2009):

[…]  o  estudante  de Educação  a Distância  precisará  desenvolver  ou  aprimorar determinadas  habilidades  e  características  e  estabelecer  rotinas  para  aprender  a aprender,  sem  a  presença  e  a  cobrança  constantes  de  um  professor.  Entre  outras coisas deverá:  ser auto motivado, ou  seja, buscar em  si a motivação necessária para realização do curso; ser capaz de auto-organizar sugestões; ser capaz de trabalhar em grupo  de  forma  colaborativa  e  cooperativa;  ser  disciplinado,  a  fim  de  cumprir  os objetivos  que  estabeleceu  para  si  mesmo;  ser  responsável  por  seu  próprio aprendizado;  e,  estar  consciente  da  necessidade  de  aprendizagem  continuada  pelo resto da vida. (OLIVEIRA, 2009, p.72)

O que se espera disso é o nascimento de uma nova geração de profissionais que serão naturalmente auto suficientes em seu melhoramento e capacitação. Também é garantido um bom nível de conhecimento dos recursos de informática por parte do aluno, parte integrantes dos sistemas EaD baseados na internet, foco deste texto. “Verifica-se que os acadêmicos têm o bom conhecimento a respeito dos softwares empresariais, como pode ser visto em relação ao Word, Excel e PowerPoint” (ARIEIRA., 2009, p.326).

O resultados obtidos dos experimentos de cursos utilizando a aplicação plena de EaD são positivos tanto do ponto de vista da instituição como por parte dos discentes, conforme mostra o estudo de OLIVEIRA (2009).

Quanto  a  qualidade  do  curso  de  Licenciatura  em  Ciências  Biológicas  na modalidade  a  distância,  a  maioria  dos  alunos  do  pólo  Garanhuns  respondeu  que indicaria o curso a outras pessoas. […]. Ainda percebe-se que, grande parte acredita que o curso prepara  para  exercer  a  profissão,  outros  dizem  que  prepara  parcialmente  e  só  a minoria  não  considera  que  estarão  preparados  para  exercer  uma  profissão  de professor. (OLIVEIRA, 2009, p.76)

É claro que a qualidade do curso ter total  influência sobre a opinião dos alunos, da mesma forma que o curso presencial.

É importante evidenciar que esta não é uma defesa a completa substituição do ensino presencial pelo EaD, como muitos devem admitir. O EaD prioritariamente deve ser utilizado como um complemento ao ensino presencial, até por uma questão de adaptação. ARIEIRA cita:

[…] o papel principal da EaD não é o de substituir a educação tradicional, mas complementá-la na individualização dos conhecimentos de cada cidadão, de acordo com seus perfis, preferências e habilidades cognitivas. Outra função da EaD é permitir que pessoas excluídas do modelo tradicional de educação possam ser incluídas e ter seus direitos de acesso à educação e à informação garantidos. (ARIEIRA, 2009, p.322)

Após um primeiro momento, é esperada uma expansão deste movimento, tornando-o cada vez mais presente nas instituições de ensino, principalmente partindo da demanda dos próprios profissionais que reconhecerão o valor do método de EaD.

Em um segundo momento, espera-se que as empresas passem a dar o valor devido para os profissionais que passam por este tipo de formação ou até que dão preferência para este.

Mas é preciso atentar para o cenário atual do EaD nas instituições de ensino atuais. Algumas delas têm encarado sua aplicação apenas como uma forma de apresentar inovação em sua grade de cursos ou como economia de recursos ou “cadeiras” em sala de aula, uma vez que o custo por aluno em ensino presencial é significativamente superior ao EaD. Como conseqüência, os investimentos realizados tem gerado opções de cursos cujo EaD não passa de uma simples disponibilização de páginas ou materiais online e um portal com pouca interação, violando por completo o conceito deste modelo.

NORONHA (2007) coloca como requisitos para o software que aplique EaD funcionalidades que vão muito além da simples disponibilização de materiais online, priorizando principalmente recursos que promovam interação como Chat, Fórum, Grupos de discussão, vídeos interativos no modelo WebCast.

Torna-se então imprescindível um acompanhamento e feedback ativo por parte dos discentes em relação a instituições de ensino que praticam levianamente o aplicação de EaD, se é que pode-se admitir que o fazem, por parte das instituições de ensino no investimento correto e aplicável do método de EaD, baseado em casos de sucesso e várias outras instituições e também por parte das empresas na aceitação, valorização e incentivo aos profissionais no uso de EaD.

Referências

NORONHA, Maria do Carmo Garcia; ALCÂNTARA, André; REHEME, Michele. Ensino a Distância – Um Panorama de Mudanças;  Revista de Informática Aplicada, n. 01, 2007. p.14, vol. 3 Disponível em: <http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_informatica_aplicada/article/viewArticle/274> acesso em 12/06/2010.

OLIVEIRA LIMA, M., BARROS, D., MORAES, R.. A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO – UPE. Educação a Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, América do Norte, 2, dez. 2009. Disponível em: <http://www.edapeci-ufs.net/revista/ojs-2.2.3/index.php/edapeci/article/view/4>. Acesso em: 27 Jun. 2010.

ARIEIRA, Jailson de Oliveira et al . Avaliação do aprendizado via educação a distância: a visão dos discentes. Ensaio: aval.pol.públ.Educ.,  Rio de Janeiro,  v. 17,  n. 63, Junho  2009 .   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362009000200007&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 27 Junho 2010.

Dicas – Sistema calcula chances de conseguir emprego

Fonte: Dica dada pela MetroPoint

Trabalhador pode consultar seu grau de empregabilidade

Que está em busca de emprego acaba de ganhar uma ferramenta que permite calcular as chances de consguir uma vaga no mercado de trabalho. O sistema, batizado de Termômetro Nacional do Emprego, está disponível no endereço eletrônico www.termometrodoemprego.sp.gov.br.

Para consultar seu grau de empregabilidade, o trabalhador precisa reposder a algumas questões pessoais como idade, sexo, grau de instrução, estado civil e número de filhos, além de informação profissionais, como experiência e renda mensal.

A ferramenta também fornece uma estimativa média de remuneração e calcula o tempo que o trabalhor deverá permanecer no novo emprego.

Acesse o site do Termômetro Nacional do Emprego clicando no link abaixo:

www.termometrodoemprego.sp.gov.br

Termômetro Nacional do Emprego
Termômetro Nacional do Emprego